Michael Faraday: biografia deste físico britânico

Hoje, grande parte do mundo moderno opera principalmente por meio do uso de eletricidade. O uso deste tipo de energia, portanto, não é exatamente desconhecido para nós.

Mas para poder usar luzes, computadores, equipamentos de sobrevivência ou baterias recarregáveis, um número significativo de descobertas teve que ser feito com antecedência. E embora alguns deles datem de AC, na maioria das vezes a forma de gerar e aplicar eletricidade tem sido algo que foi estudado e descoberto na era moderna.


Uma das grandes personalidades pioneiras que possibilitaram o desenvolvimento dos estudos sobre eletricidade e eletromagnetismo foi Michael Faraday. Foi o principal descobridor da indução eletromagnética e da eletrólise, a aplicação prática possibilitou um desenvolvimento tecnológico muito importante. A história deste pesquisador é, portanto, de grande interesse, razão pela qual neste artigo vamos ver uma biografia de Michael Faraday.

    A Vida de Michael Faraday: Uma Breve Biografia

    O nascimento de Michael Faraday ocorreu em 22 de setembro de 1791, na vila de Newington Butt (agora uma vila, mas parte de Londres) na região inglesa de Surrey. Ele era o terceiro de quatro irmãos, filhos do ferreiro James Faraday e Margaret Hastwell.

    A família Faraday, operária e camponesa, dispunha de poucos recursos e só podia oferecer aos filhos uma educação básica. No início ele iria para a escola, mas depois sua família decidiu levá-lo para passear e fazer com que ele estudasse em casa.

    Também era comum que as crianças tivessem que contribuir financeiramente para sustentar a família, o que significava que desde cedo Michael Faraday tinha que distribuir jornais. Também em grande parte devido às crenças familiares uma grande convicção religiosa nasceu nele, e ela fazia parte da igreja sandemaniana. Essa fé seria uma fonte de paz e força para o cientista ao longo de sua vida.

      Jovens e primeiros empregos

      Em 1805, com a idade de quatorze anos, o jovem Faraday iniciou um período de aprendizagem como encadernador com um livreiro para o qual ele já havia exercido várias encomendas, George Riebau. Durante este período, que durará sete anos, a sua obra permite-lhe ter um contacto profundo com um grande número de obras literárias. Ele também começou a cultivar uma certa predileção por fenômenos do tipo elétrico, depois de ler vários artigos e livros sobre química e eletricidade.

      Também como seu interesse científico também cresceu (ao mesmo tempo que sua desilusão com o mundo mercantil) e graças a seu irmão ele pôde começar a frequentar e fazer parte da Sociedade Filosófica da cidade, governada por Jean Tatum.

      O contato com esse grupo permitiu que conhecesse o trabalho do químico Humphry Davy, que faria uma série de palestras no local. Um dos membros da banda comprou ingressos para ele, então conseguiu assistir às palestras oferecidas pelo químico no Royal Institution. Nelas, ele tomava um grande número de notas a ponto de poder fazer um pequeno livreto. Faraday decidiu enviar uma cópia para Davy e pedir-lhe que trabalhasse como assistente para se dedicar à ciência.

      Início de sua educação científica

      Humphrey Davy recebeu a inscrição e, como havia uma vaga de assistente e, além disso, teve um pequeno acidente que o deixou temporariamente cego, ele inicialmente aceitou Faraday como secretário. Quando seu ex-assistente teve de ser demitido, ele também ofereceu o emprego a Michael Faraday, que se tornou seu assistente em 1813.

      Embora a esposa do químico sempre tenha demonstrado profundo desprezo e o trate como um servo, Humphry se tornaria seu protetor e mestre e com ele Faraday pôde viajar (apesar do conflito da época), trabalhar e investigar aspectos como a composição dos diamantes ou testemunhar a descoberta do benzeno.

      Ele também faria muitos contatos e basicamente aprenderia química. Nesse quesito ele conseguiu se destacar, então logo após o retorno dessas viagens, Faraday pôde começar a dar treinamento nesse sentido. Em 1815, publicou sua primeira obra Analyze de la lime caustique de Toscane, além de numerosos artigos.

      grandes descobertas

      Ele então foi convidado a escrever artigos de opinião sobre as contribuições científicas de vários autores, o que o faria recriar suas experiências e conhecer os autores originais.

      Foi neste contexto que Faraday começou a fazer importantes descobertas: em 1821, descobriu o caminho da aplicar o conhecimento existente de eletromagnetismo em um primeiro rotor eletromagnético. Naquele mesmo ano, ele se casou com uma jovem que conheceu em sua igreja, Sarah Barnard, e depois de seu sucesso anterior, ele começou a se concentrar e a fazer publicações sobre eletricidade e magnetismo.

      Em 1824 ele foi nomeado membro da Royal Society, e um ano depois foi nomeado diretor do laboratório da Royal Society, que carregava seu mentor quando o conheceu. Ele começou a dar palestras e palestras Natal (palestras de Natal da Royal Institution) e semanal (palestras de sexta à noite).

      Em 1831, ele fez outra de suas grandes descobertas, a indução eletromagnética. Durante o ano de 1832 ele descobriu, ou melhor, provar empiricamente a existência de eletrólise. Também nessa época, mais precisamente em 1836, ele projetou a gaiola de Faraday para gerar uma zona protegida eletromagneticamente para evitar que a eletricidade externa chegasse ao seu interior. Ele recebeu vários prêmios e homenagens, alguns dos quais foram rejeitados, como a presidência da Royal Society ou o título de cavaleiro.

      Outra de suas investigações, desta vez relacionado ao estudo da força da luz, Deu origem ao conhecido efeito Faraday. Este efeito propõe que a ação de um campo magnético poderia afetar a polarização da luz, o que correspondeu à sua ideia de que luz, eletricidade e magnetismo estão relacionados.

      Os últimos anos e morte

      A década de 1860 será aquela que marcará o declínio desse grande autor. Já em 1839 ele sofria de problemas e um colapso nervoso, e gradualmente ele estava começando a mostrar sintomas neuropsiquiátricos. Ele morreu em sua casa em Hampton Court aos 75 anos em 25 de agosto de 1867.

      Seu legado é enorme: sua pesquisa melhorou muito o conhecimento dos fenômenos eletromagnéticos e inspirou autores como Maxwell e Thomas Edison. Motores elétricos ou mesmo a lâmpada dificilmente poderiam ter sido construídos sem seu trabalho.

      Referências bibliográficas:

      • Baggott, J. (1991). “O Mito de Michael Faraday: Michael Faraday não foi apenas um dos grandes experimentadores britânicos. Um olhar mais atento sobre o homem e sua obra revela que ele também era um teórico inteligente. Novo cientista.

      Deixe um comentário