Melanie Klein: biografia e pensamento desta psicanalista

Melanie Klein é uma das principais representantes da psicanálise. Embora admiradora de Sigmund Freud, sua forma de conceber a terapia psicanalítica a levou a trazer à tona sua própria corrente dentro dessa grande disciplina: o kleinismo.

Com uma vida pessoal extremamente difícil, Melanie Klein soube enfrentar as adversidades e se tornar uma das principais figuras da terapia psicológica para crianças. Hoje vamos descobrir qual foi a sua história, através biografia de Melanie Klein.


    Breve biografia de Melanie Klein

    Melanie Klein foi uma psicanalista anglo-austríaca que desenvolveu sua própria teoria da psicanálise, baseado nas ideias de Sigmund Freud, mas introduzindo alguns conceitos de sua própria autoria. Ela foi pioneira na criação de terapias psicológicas para crianças.

    Ela formou sua própria escola teórica sobre psicanálise infantil e se tornou a primeira psicanalista da Europa continental a ingressar na Sociedade Psicanalítica Britânica. Ela era a principal oponente de Anna Freud.

    Infância

    Nascida Melanie Reizes, Melanie Klein nasceu em 30 de março de 1882 em Viena, na época o Império Austro-Húngaro. Seu pai, Moriz Reizes, veio de uma família judia ortodoxa e estudou para ser médico diante das crenças religiosas de sua família. Moriz casou-se com Libussa Deutsch, uma mulher atraente e inteligente da Eslováquia, vinte anos mais nova que ele. O casal teve quatro filhos: Emilie, Emmanuel, Sidonie e Mélanie. Mélanie foi criada sem imposições religiosas.

    De acordo com sua biógrafa, Phyllis Grosskurth, Melanie Klein admitiu que veio ao mundo inesperadamente, mas não sente que recebeu menos amor de seus pais. O que marcou sua infância foi a morte de sua irmã Sidonie quando Melanie tinha apenas quatro anos. Sidonie morreu aos oito anos de escrófula, uma forma de tuberculose. Desde criança, Mélanie sempre se sentiu muito apegada à irmã, que se lembrava com grande admiração de ensiná-la a ler e contar.

      Adolescência

      Em 1898, aos 16 anos, Melanie Reizes passou no vestibular para medicina, disciplina que sempre quis cursar. No entanto, seus planos seriam truncados com a chegada do amor, já que no ano seguinte, ela conheceu seu futuro marido Arthur Stevan Kleinprimo em primeiro grau de uma mãe que estudou engenharia química em Zurique.

      Seu pai Moriz Reizes morreu em 1900 aos 72 anos. Nessa época, sua irmã Emilie casou-se com o Dr. Leo Pick. A morte de seu pai e o casamento de sua irmã desencadeiam uma crise para Melanie e o resto da família.. A tudo isso se somaria um trágico acontecimento dois anos depois, quando seu irmão Emmanuel morreu de ataque cardíaco em Gênova, com apenas 25 anos. Essa morte marcou Mélanie para o resto de sua vida porque ela era muito próxima de Emmanuel.

      Foi seu irmão Emmanuel que a encorajou a estudar medicina. Na verdade, foi ele quem ajudou Melanie a entrar no ginásio de Viena. Tudo isso causou a morte de seu irmão, Melanie ele se sentiu profundamente culpado pelo que aconteceu. Não porque achasse que poderia ter evitado sua morte estudando medicina ou algo assim, mas porque sabia que seu casamento iminente com Arthur Klein era algo que afetava a saúde física e mental de seu irmão mais velho.

      De acordo com seu biógrafo, Emmanuel estava se autodestruindo com o casamento de Melanie com Arthur. Somado a isso, Emmanuel sofria de febre alta aos doze anos, provavelmente causada por tuberculose anterior.

        Casamento difícil e vida familiar

        Aos 21 anos, Mélanie casou-se com Arthur Klein em 1903, levando seu sobrenome. O casamento não era satisfatório para Melanie e ela sempre se lembrava dele como um casamento infeliz. Apesar disso, a família Klein teve três filhos: Melitta, Hans e Erich.

        O casamento não passava da palha que enchia o copo de uma vida marcada pela morte de entes queridos, inúmeros episódios depressivos, uma vida amorosa insatisfatória e uma onda antissemita cada vez mais evidente na Europa central.

        Melanie Klein submeteu-se a tratamentos psicanalíticos em várias ocasiões. Mas, num ato de superação das adversidades e de aprendizado com o que estava acontecendo com ele, foram justamente seus problemas de saúde que deram a conhecer sua vocação. Ele começa a sentir um grande interesse pela psicanálise, tendo a oportunidade de ser tratado por grandes figuras de seu tempo como Sandor Ferenczi e Karl Abraham.

        Em 1914, quando se interessou pela psicanálise, seu marido foi para a guerra e sua mãe Libussa morreu de câncer. Pouco depois, após várias tentativas de reconciliação, Mélanie e Arthur Klein se separam. Mélanie não é conhecida de outro parceiro estável, além de um amante, Cheskel Zwi Klötzel, jornalista alemão e autor de livros infantis, também casado, que acabaria por fugir para a Palestina por causa do aumento do antissemitismo na Europa.

        Mas o maior golpe em sua vida pessoal viria de sua própria filha mais velha, Melitta Schmideberg. Embora inicialmente concordasse com os princípios da psicanálise infantil que sua mãe havia estabelecido, logo ela se tornou uma aliada de Edward Glover, um de seus oponentes ideológicos. Melitta e Glover boicotaram as teorias de Melanie Klein em reuniões da Sociedade Psicanalítica Britânica. A briga foi tão forte que mãe e filha nunca se reconciliaram.

        Morte

        Melanie Klein foi diagnosticada com anemia em 1960 e, alguns meses depois, com câncer de cólon. Ela passou por uma operação que, embora parecesse bem-sucedida no início, acabou desenvolvendo uma série de complicações que acabariam com sua vida. Melanie Klein morreu em 22 de setembro de 1960, aos 78 anos.

          Carreira profissional e desenvolvimento de sua teoria

          Aqui estão alguns dos destaques da carreira de Melanie Klein e como ela desenvolveu sua teoria psicanalítica particular.

          Primórdios da Psicanálise

          Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, seu marido Arthur Klein foi chamado para formar fileiras. Por conta do estresse, ansiedade e tudo que estava acontecendo em sua vida, foi nesse ano que Mélanie Klein faz psicanálise com Sándor Ferenczi, amigo íntimo de Freud.

          Em 1918, Melanie Klein ouviu Sigmund Freud ler suas Linhas de Avanço na Terapia Psicanalítica no 5º Congresso de Psicanálise na Academia Húngara de Ciências em Budapeste. Um ano depois, Melanie apresenta um estudo feito com seu próprio filho de cinco anos, Erich, na Sociedade Psicanalítica Húngara. A sociedade a recompensa por se tornar um membro.

            Primeira análise em crianças

            Em 1921, Melanie Klein, vendo o anti-semitismo se espalhar por toda a Hungria, mudou-se para Berlim. Neste ponto de sua vida, ele começou sua carreira real como psicanalista infantil, tratando crianças, participando de conferências internacionais e tornando-se membro da Sociedade Psicanalítica de Berlim.

            Graças à amizade com o psicanalista Ernest Jones, Melanie Klein pôde evoluir profissionalmente no exterior. Jones lhe fez um grande favor ao publicar um artigo de Melanie Klein intitulado “O Desenvolvimento de uma Criança” no International Journal of Psychoanalysis. Com esta publicação, Klein ganhou fama considerável, fazendo pessoas como Karl Abraham e Sigmund Freud falarem sobre ela.

            Alcançar fama internacional

            Em 1926 mudou-se para Londres, onde começou a cuidar de crianças, incluindo os filhos da família Jones e seu próprio filho Erich. Em 1927, sua principal detratora, Anna Freud, escreveu à Sociedade Psicanalítica de Berlim sobre as técnicas de Klein para analisar crianças. Em resposta, Ernest Jones organizou um simpósio sobre a sociedade britânica sobre o mesmo assunto, que o próprio Sigmund Freud considerou um ataque pessoal a ele e sua filha.

            Em 2 de outubro de 1927, Melanie Klein foi eleita membro da Sociedade Psicanalítica Britânica.. Alguns anos depois, em 1932, publicou sua principal obra teórica, La psicanálise infantil, publicado simultaneamente em inglês e alemão. Durante este tempo, Klein participa de várias conferências nas quais apresenta o desenvolvimento de sua teoria.

            Klein vs. Freud

            Quando a Segunda Guerra Mundial estourou em 1939, Sigmund e Anna Freud se mudaram para Londres.

            A primeira reunião especial da Sociedade Psicanalítica Britânica ocorreu em 25 de fevereiro de 1942. A inimizade entre Melanie Klein e Anna Freud atingiu tais proporções que, agora, Dois lados foram criados entre os psicanalistas britânicos: os kleinianos e os freudianos. Durante esses anos, o setor freudiano liderado por Anna Freud, com a própria filha de Melanie, Melitta, se empenhou em atacar as teorias de Klein.

            As diferenças entre as duas teorias não foram resolvidas até 1946. Foi então que surgiu um Grupo de Conciliação ou Grupo Intermediário dentro da Sociedade Psicanalítica Britânica. Este grupo visa acalmar o ambiente e harmonizar as diferenças entre a teoria de Anna Freud e a de Melanie Klein. Em 1947, John Rickman, membro deste grupo de conciliação, foi eleito Presidente da Sociedade.

              A psicanálise de Melanie Klein

              As contribuições de Melanie Klein para a teoria da psicanálise são as seguintes.

              Complexo de Édipo e superego

              Melanie Klein compartilha com Sigmund Freud a ideia do complexo de Édipoum conceito que sustenta que o menino ou a menina quer tomar o lugar do genitor do mesmo sexo e tenta estabelecer uma relação sexual-afetiva com o outro genitor.

              O modelo de Freud explica que essa fase ocorre entre os três e os cinco anos de idade. Em vez disso, Melanie Klien propõe um complexo de Édipo anterior, com um primeiro estágio em que a criança fantasia sobre um corpo no qual os atributos sexuais do pai e da mãe estão unidos.

              Nessa fase, a criança apresenta características cruéis ligadas aos orifícios corporais, como a boca ou o ânus e isso seria uma consequência, do ponto de vista do modelo psicanalítico, das projeções de sua própria sexualidade. Melanie Klein argumentou que a frustração das crianças desmamadas e a incorporação de alimentos em sua dieta desempenharam um papel muito importante.

              Quanto ao superego ou superego, a teoria freudiana o explica como aquela parte de nosso ser que representa os pensamentos éticos adquiridos pela cultura uma vez superado o complexo de Édipo. Melanie Klein faz algumas modificações nesse conceito, pois acredita que o superego está presente nos bebês desde o nascimento e amamentação. Somado a isso, ele especifica que o superego está ligado a um sentimento de culpa que surge durante o complexo de Édipo.

              Posição depressiva e posição esquizo-paranóide

              Segundo Melanie Klein, a posição depressiva é um pensamento recorrente na mente da criança. Aparece pela primeira vez durante o primeiro ano e meio de vida e estaria ligada à ansiedade que ocorre nos bebês pelo medo de perder o objeto amado, que geralmente é a mãe.

              Quanto à posição esquizoparanóide, seria um estágio pré-depressivo. Ocorre durante os primeiros meses de vida, embora possa reaparecer em episódios posteriores do desenvolvimento da criança. A criança concebe a mãe como uma parte centrada em seu seio, que ela percebe como “seio bom” quando o alimenta e “seio ruim” caso contrário. Nesta fase, a ansiedade do bebê decorre de seu desejo de sobreviverao invés do medo de perder a mãe da posição deprimida.

              Obras de Melanie Klein

              Dentre as principais obras de Melanie Klein destacamos:

              • Amor, Culpa e Reparação e Outras Obras 1921-1945.
              • A Psicanálise de Crianças.
              • Inveja e Gratidão e Outras Obras 1946-1963.
              • Narrativa de uma análise infantil.

              Referências bibliográficas

              • OnlineKlein, M. (1932). Psicanálise de crianças. Epub: versão digital
              • OnlineKlein, M. (1959). Nosso mundo adulto e suas raízes na infância. Epub: versão digital
              • Barbieri, M. (2017). Melanie Klein. Barcelona, ​​​​Espanha: Editorial Salvat.

              Deixe um comentário