Mary Ainsworth: biografia desta psicóloga e pesquisadora

O equilíbrio entre vida pessoal e profissional é particularmente complicado, especialmente para as mulheres. Embora medidas estejam sendo tomadas para reconciliar essas duas áreas, ainda há um longo caminho a percorrer. Sua luta começou há muitos anos com Mary Ainsworth.

Ainsworth foi um psicólogo americano que, há mais de 70 anos, apoiou essa luta. Ele também fez outras contribuições, como a teoria da afeição, por meio de The Strange Situation. Neste artigo, saberemos em poucas palavras uma biografia de Mary Ainsworth e uma revisão de suas contribuições.


    Mary Ainsworth: biografia desta psicóloga americana

    Mary Ainsworth foi uma psicóloga americana nascida em Glendale, Ohio, em dezembro de 1913. Ela entrou na Universidade de Toronto em 1929 e se formou em 1935. Ela é considerada uma pioneira nos estudos do afeto e, portanto, na teoria do tilt.. Por outro lado, também se interessa por aspectos da mulher e do ser humano, até então relegados a segundo plano.

    Por sua vez, ela foi uma das psicólogas mais influentes e citadas do século XX, embora em sua época as mulheres tivessem limitado muito sua proeminência profissional. No momento, suas contribuições continuam sendo um pilar sobre o qual construir novos estudos em psicologia.

    Trajetória e vida

    Mary Ainsworth nasceu nos Estados Unidos, no entanto a família dela mudou-se para Toronto, Canadá, quando ela era criança. Ela se formou em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade de Toronto e recebeu seu doutorado em 1939. Após a graduação, ela se juntou ao Corpo Naval de Mulheres Canadenses; ele passou quatro anos no exército e obteve o posto de major.

    Alguns anos depois, ela se casou e mudou-se para Londres com o marido. então ele começou a trabalhar no Instituto Tavistock ao lado do psiquiatra John Bowlby. Os dois embarcam em um caminho de pesquisa baseado nas experiências das crianças de separação de seus personagens amorosos ou cuidadores.

    Em 1953 mudou-se para Uganda e começou a trabalhar no Instituto Africano de Pesquisa Social em Kampala; aqui, ele continua sua pesquisa sobre as primeiras relações dos filhos com a mãe.

    Um momento depois ele conseguiu uma vaga no Instituto Johns Hopkins nos Estados Unidos e mais tarde na Universidade da Virgínia, Onde continuou a desenvolver sua teoria do afeto, até 1984 se aposentou do trabalho.

    Finalmente, Mary Ainsworth faleceu em 1999, aos 86 anos, após uma vida dedicada a desenvolver e pesquisar uma das teorias psicológicas mais importantes que temos hoje.

      A teoria da inclinação

      Mary Ainsworth, ao lado de John Bowlby, desenvolveu uma das teorias psicológicas mais importantes para a compreensão do desenvolvimento social inicial: a teoria do apego. Esta teoria foi originalmente formulada com foco nas crianças, embora Mary Ainsworth mais tarde (nos anos 60 e 70) tenha introduzido novos conceitos e, finalmente, nos anos 80 tenha estendido a teoria aos adultos.

      Para estudar a inclinação, ele projetou a estranha situação, que veremos em detalhes nas linhas a seguir.

      A situação estranha

      Mary Ainsworth é conhecida, entre muitas outras contribuições, por ter concebido em 1978 com seus colaboradores “The Strange Situation”: foi um procedimento de laboratório para estudar a inclinação na infância. Consistiu em estabelecer dois episódios de separação entre a criança e seu cuidador (geralmente a mãe) para analisar o tipo de apego da criança, por meio de sua atitude e de seu comportamento exploratório em condições de estresse (separação).

      Especificamente, Mary Ainsworth e colegas estudaram crianças entre 10 e 24 meses de idade, usando 8 episódios envolvendo separação e reencontro com a mãe, bem como a presença de um estranho em alguns deles.

      A partir dessa experiência, classificaram o afeto dos filhos de acordo com o comportamento que demonstraram durante a separação, bem como a atitude durante o reencontro com a mãe.

      Os resultados obtidos sugerem a classificação da condição em quatro tipos: apego seguro, estado de ansiedade evitativa, estado de ansiedade ambivalente resistente e vínculo desorganizado / desorientado. Vamos ver o que cada um desses tipos de condições é:

      1. Afeto seguro

      É a condição mais comum (ocorre em 65% das crianças). envolvido que a criança explora ativamente quando a mãe está presente (base segura) e está preocupada com a separação. Por fim, a criança é afetuosa quando a mãe retorna.

      2. Evitação, rejeição ou condição efêmera

      Ele aparece em 20% dos casos. A criança mostra pouco desconforto com a separação, evita e ignora a mãe no retornoEle fica com raiva e não a procura quando precisa dela. O comportamento exploratório está ativo. São crianças que podem ser muito sociáveis ​​com estranhos.

      3. Condição ambivalente ou resistente

      Ocorre em 10 a 12% dos casos. Esse tipo de condição caracteriza crianças que exploram pouco, que ficam perto da mãe, que se preocupam muito com a separação e diante dela e que são ambivalentes quanto ao retorno da mãe. Eles exploram pouco e são difíceis de tranquilizar.

      4. Estado desorganizado-desorientado

      Aparece em 3 a 5% dos casos e é o modelo menos seguro. aqui padrões resistentes e evitativos são combinados; comportamentos inconsistentes e contraditórios aparecem.

      O trabalho de Mary Ainsworth

      Mary Ainsworth enfatizou a importância de desenvolver uma relação saudável de afeto materno, ou seja, uma inclinação saudável e segura no filho. Ele também sublinhou a influência que uma pegada não segura pode ter na criança, bem como na idade adulta.

      De acordo com a teoria de inclinação de Mary Ainsworth, um dos principais fatores que afetam a condição é a sensibilidade da mãe às necessidades de seu bebê, Que é considerado vital para o desenvolvimento de uma pegada segura.

      Este psicólogo sempre se pronunciou a favor da necessidade de implementar programas que ajudarão as mulheres a reconciliar suas carreiras com a maternidade. Na verdade, naquela época, era quase impensável para as mulheres serem capazes de conciliar essas duas facetas da vida. É por isso que Mary Ainsworth é considerada uma das precursoras dos programas de equilíbrio entre vida pessoal e profissional para mães. Assim, ela foi pesquisadora e ao mesmo tempo demandante, e lutou pelos direitos da mulher nesse sentido, interessando-se por aspectos que eram muito importantes para as mulheres, aqueles que sempre foram esquecidos.

      Referências bibliográficas:

      • Main, M. e Hesse, E. (1992). O comportamento da criança desorganizada / desorientada na situação estranha, cai sob a supervisão do raciocínio e da fala durante a manutenção da adesão dos pais adultos e estados dissociativos. Em M. Ammaniti e D. Stern (Eds.), Attachment and psoanalysis.
      • Vasta, R.; Haith, MM; Miller, SA (2001). Psicologia infantil. Ed. Ariel. Barcelona.
      • Papalia, DE; Olds, SW; Feldman, RD (2005). Psicologia do desenvolvimento da infância à adolescência. McGraw-Hill. Madrid.
      • Fonagy, P. (2008). Teoria do afeto e psicanálise. Clinic and Health, 19 (1), 131-134.

      Deixe um comentário