Karl Jaspers: biografia deste filósofo e psiquiatra alemão

A filosofia existencialista constitui um modelo de pensamento centrado no estudo e reflexão da condição humana, na liberdade das pessoas e nas suas responsabilidades como indivíduos; bem como nas emoções e no sentido da vida.

Esta corrente nasceu no século XIX e perdurou até a segunda metade do século XX, sendo Karl Jaspers um de seus criadores e um grande defensor dela. Além de ser um dos grandes proponentes do existencialismo, esse filósofo e psiquiatra alemão influenciou muito a psicologia e a filosofia, bem como a teologia. Este artigo se concentrará precisamente na história de sua vida, a biografia de Karl Jaspers, Bem como em suas contribuições para as diversas disciplinas do conhecimento.


    Quem foi Karl Jaspers? Biografia e trajetória

    Nasceu em Oldenburg, 23 de fevereiro de 1883, Karl Theodor Jaspers foi um famoso psiquiatra e filósofo a influência na psiquiatria e na filosofia moderna levou-a a aparecer em todos os livros de história de ambas as disciplinas.

    Este popular pensador alemão estudou e recebeu seu MD na Universidade de sua cidade natal em 1909. Seu início no mundo do trabalho começou no Hospital Psiquiátrico da Universidade de Heidelberg, conhecido por ter sido o local de trabalho do psiquiatra Emil Kraepelin alguns anos antes.

    Mas Jaspers não gostava da maneira como a sociedade científica da época tratava a pesquisa sobre doenças mentais, então seu foco agora seria mudar a perspectiva dessa pesquisa. Essa necessidade o levou a se estabelecer temporariamente como professor de psicologia na mesma universidade. Eventualmente, ele se tornou permanente e nunca mais voltou à prática clínica.

      Exilado pela guerra e voltou para a Alemanha

      Quando veio a ascensão do nazismo, Jaspers teve que se afastar da liderança da universidadeComo sua oposição ao sistema e as origens judaicas de sua esposa custaram-lhe a expulsão do campo da educação, sem poder retornar antes do final do mandato de Hitler. Após a queda do domínio nazista, o médico que virou professor conseguiu retomar seu lugar e também colaborar na recuperação da educação alemã.

      Naquela época, ele poderia desfrutar de uma vida pública bem integrada à sociedade alemã. Em 1947 recebeu o Prêmio Goethe, E em 1959 ele recebeu o Prêmio Erasmus por sua contribuição para o renascimento da Europa.

      Últimos anos de vida e morte em Basel

      Durante sua estada em Heidelberg, Karl Jaspers ficou extremamente decepcionado com o contexto político alemão e em 1948 ele partiu para a Universidade de Basel. Finalmente, em 1961, ele se aposentou do ensino por causa de sua idade avançada.

      Jaspers questionou a democracia da República Federal da Alemanha em seu livro The Future of Germany, escrito em 1966. Devido à fraca recepção desta obra pela classe política, Jaspers ele foi forçado a adotar a nacionalidade suíça em 1967, Morrendo na mesma cidade de Basel, alguns anos depois.

      Recebeu o título de doutor honoris causa em várias universidades, incluindo a Universidade de Paris, Heidelberg e Basel. Além disso, tem sido sócio honorário de diversas comunidades científicas, inclusive na Espanha, onde participou da Sociedade de Medicina Legal de Madrid.

        Contribuições de Jaspers para a psicologia e psiquiatria

        Como mencionado acima, Jaspers nunca concordou completamente com o entendimento da sociedade médica sobre doença mental, criando uma discussão contínua sobre se os critérios diagnósticos e métodos clínicos usados ​​em psiquiatria eram realmente os mesmos.

        Também em 1910, ele desenvolveu um ensaio transformador em que ele considerou a possibilidade de que a paranóia fosse o produto de alterações biológicas ou se era outro tom de personalidade. Embora ele não tenha contribuído muito para esse problema, isso levou à criação de um novo procedimento para o estudo da psicologia humana.

        Esta nova mudança está na revisão e registro das biografias dos pacientes e como o paciente percebeu e sentiu seus próprios sintomas. Essa nova fórmula de trabalho ficou conhecida como método biográfico., Método ainda hoje preservado na prática psicológica e psiquiátrica.

        Karl Jaspers e o estudo das ilusões

        Uma das citações mais famosas de Jaspers foi: “O estudo do ser psíquico requer psicologia explicativa, psicologia abrangente e uma descrição da existência.” Desse ponto de vista, a psicologia teve que responder a várias frentes de questões relacionadas à vida mental.

        Da mesma forma, Jaspers acreditava que o diagnóstico de delírios deveria ser seguido da mesma maneira. considerando como o paciente manteve essas crenças e não apenas o conteúdo deles. A partir daí, ele distinguiu dois tipos de delírios: delírios primários e delírios secundários:

        1. Delírios primários

        Estes surgiram sem razão aparente, tornando-os indecifráveis ​​sob a normalidade e nenhum argumento razoável depois deles.

        2. Delírios secundários

        essas ilusões eles pareciam estar relacionados com a história de vida da pessoa, Com seu contexto no momento presente ou com seu estado mental.

        Psiquiatria centrada na forma

        finalmente Jaspers refletiu sua visão da doença mental na obra General Psychopathology (1913), um trabalho que se tornou um clássico na literatura psiquiátrica e as diretrizes diagnósticas têm servido de inspiração para os procedimentos diagnósticos modernos.

        O aspecto mais relevante deste trabalho foi a ideia de que a opinião no diagnóstico psiquiátrico deve ser baseada mais na forma do que no conteúdo. Um exemplo válido é que, ao diagnosticar uma alucinação, a forma como essa alucinação se apresenta (visual, auditiva etc.) é mais importante do que seu conteúdo.

        Contribuições para a filosofia

        O pensamento de Jaspers geralmente foi incorporado à filosofia existencialista. A razão é que na base de suas ideias está a filosofia de Kierkegaard e Nietzsche, sendo as reflexões sobre a liberdade pessoal muito características de sua obra.

        Em sua obra de três volumes, Filosofia (1932), Jaspers descreve sua visão da história da filosofia, incluindo suas teses mais relevantes. Neles ele estabelece que quando duvidamos da realidade nós cruzamos a fronteira que o método científico não pode cruzar. Ao chegar lá, a pessoa tem duas alternativas: renunciar ou embarcar no que Jaspers chama de “transcendência”.

        Para Jaspers, “transcendência” é o que a pessoa encontra além do tempo e do espaço. Desta forma, a pessoa examina sua própria vontade, que Jaspers chama de “ExistenZ”, e assim consegue realmente experimentar a existência verdadeira.

        Quanto às religiões, Jaspers censurou todos os dogmas religiosos, que abrangem até a existência de um Deus. Mas também ele deixou uma marca importante na teologia moderna por meio de suas filosofias de transcendência e as fronteiras da experiência humana.

        Jaspers também refletiu sobre o impacto que a ciência, a política e a economia modernas representam como um desafio à liberdade das pessoas. É um debate que ainda hoje é relevante.

        Deixe um comentário