Juan Alberdi Batista: biografia do pai da Constituição Argentina

Alberdi é uma das figuras mais importantes do ramo hispano-americano do liberalismo que viveu no século XIX.

Tentaremos mergulhar na vida deste autor por meio de uma biografia de Bautista Alberdi, Nos quais conheceremos os episódios que marcaram sua vida, quais foram suas contribuições mais importantes nas diferentes áreas trabalhadas e, portanto, quais foram as repercussões delas decorrentes.


    Breve biografia de Bautista Alberdi

    Juan Bautista Alberdi nasceu em 1810 na província argentina de San Miguel de Tucumán. Suas origens eram espanholas, pois seu pai, Salvador Alberdi, era comerciante de Guipúzcoa, no País Basco. Salvador possuía uma próspera pulperia, um estabelecimento de comida típica. Além disso, ele também teve relevância política para o conflito entre Argentina e Inglaterra, pois foi um dos responsáveis ​​pela defesa da capital.

    Quanto à mãe, Josefa Aráoz, era de origem crioula, integrante de uma das famílias mais importantes da cidade de Tucumán. Infelizmente, Josefa faleceu ao dar à luz Juan Bautista Alberdi, então ela ficou órfã. A família Alberdi participou ativamente da revolução de maio de 1810, acontecimento político que acendeu o estopim da futura independência da Argentina, até então dependente da Espanha.

    O pai de Joan Baptista Alberdi morreu quando ele tinha apenas 11 anos. Órfã de pai e mãe, Joan estava sob a tutela do resto de seus irmãos. Alberdi inicia assim uma etapa de sua vida, desta vez na cidade de Buenos Aires, onde se estabelece para continuar seus estudos. Ele entrou na instituição do College of Moral Sciences por meio de uma bolsa do governo.

    Após alguns anos instáveis ​​de abandono e retorno à academia, Juan Bautista Alberdi Matriculamo-nos primeiro na Universidade de Buenos Aires, depois na Universidade de Córdoba e finalmente na de Montevidéu (Uruguai), para estudar jurisprudência., Disciplina em que o doutorado chegaria depois, no Chile.

    Combinou a sua formação académica com a formação na área da música, pois era amante desta arte e passou a dominar diversos instrumentos, como piano, flauta e violão. Na verdade, o primeiro livro que Juan Bautista Alberdi escreveu não tratou nem mais nem menos do que esse tema. Foi chamado de The Spirit of Music.

    De volta a San Miguel de Tucumán, trabalhou junto a Alejandro Heredia, governador da região, preparando uma obra à que titulou a memória descritiva de Tucumán.

      Juventude e geração de 37

      Depois da estada em Tucumán, Juan Alberdi Baptista decidiu retomar o caminho de volta à capital argentina.. Foi em 1835. Nessa época, o escritor Marc Sastre havia fundado o Saló Literari, uma série de encontros onde os autores da chamada Geração de 37 puderam trocar e compartilhar seus diferentes pontos de vista sobre diversos assuntos. Alberdi era um dos membros.

      A Geração de 37 promoveu ideias democráticas e liberais. Eles decidiram continuar o movimento que os precedeu na Revolução de maio. Este grupo defendia uma solução intermediária que satisfizesse aqueles que defendiam a construção de uma nação unitária, mas também aqueles que preferiam um modelo federalista. Alberdi estudou em profundidade a situação política em preparação para sua tese de doutorado.

      Essa pesquisa levou ao desenvolvimento de sua obra Fragmento preliminar ao estudo do direito. Lá, ele explorou diferentes caminhos na tentativa de resolver os problemas em que a Argentina se mergulhou durante aqueles anos turbulentos. Com ela, ele lançou as bases para o historicismo jurídico deste país.

      Era 1837, um ano prolífico em que ele empreendeu o novo projeto de criação de um jornal, que batizou de La Moda, Onde precisamente ele tratou deste assunto, especialmente falando das correntes mais importantes que existiam no continente europeu naquela época. Também tratou de outras artes, como literatura ou música. O próprio Joan Baptista Alberdi usou o pseudônimo Figarillo para escrever nesta publicação.

      No entanto, La Moda teve uma vida curta. Apenas vinte edições depois, esta publicação foi forçada a fechar.

      Anos de exílio

      Durante esses anos, a província de Buenos Aires era governada por Juan Manuel de Rosas, de quem Juan Bautista Alberdi era um feroz adversário. Alberdi recusou-se a jurar lealdade a essa instituição, o que desencadeou perseguição política tanto contra ele quanto contra os membros do Salão Literário, que teve de ser dissolvido. Uma nova associação foi criada secretamente, chamada La jove Argentina, e seu líder era o próprio Alberdi..

      Mas a situação era perigosa e muitos deles decidiram deixar a Argentina. No caso de Juan Alberdi Batista, seu destino foi Montevidéu, capital do Uruguai. Foi um fato dramático, porque naquela época ele já tinha uma companheira e um filho pequeno, e teve que se separar deles. Ele nunca trabalhou como pai.

      Teve a oportunidade de divulgar suas idéias por todo o Uruguai, onde tiveram grande aceitação. Teve também oportunidade de trabalhar, quer como advogado, dada a sua formação, quer como jornalista, profissão na qual também teve experiência anterior. Foi a época em que publicou duas peças diferentes. O primeiro foi intitulado A Revolução de Maio, enquanto o segundo foi nomeado em homenagem ao gigante Roselles.

      muito viveu algum tempo no Chile, país em que se tornou um advogado de renome e onde também concluiu sua tese de doutorado. para ganhar o título mais alto nesta disciplina. Esse trabalho foi denominado “Sobre a conveniência e os objetivos de um congresso geral americano”. Nesse trabalho já avançou a ideia da criação de um órgão supranacional que reúna os interesses das regiões hispano-americanas.

      Também passou uma temporada na Europa, mais precisamente em Paris, estudando a obra de Montesquieu, que foi o germe da criação das constituições dos países florescentes do continente americano. Ele estudou em particular o modelo da constituição americana, estudando ideias para uma futura constituição para a Argentina.

      Queda de rosas e independência da Argentina

      Em 1852 teve lugar a Batalha dos Proprietários, onde o Grande Exército, composto por diferentes províncias argentinas, países vizinhos e exilados, pôs fim às forças da Confederação Argentina, movimento ao qual pertencia a governadora Rosas. Este significativo o retorno de quem antes havia fugido da região, como foi o caso de Juan Bautista Alberdi.

      O estudo de outras grandes letras deu a Alberdi a capacidade de enfrentar a tarefa mais importante de sua vida: preparar o terreno para a nova constituição que deveria ter uma Argentina independente. Publicou uma primeira abordagem desta questão, intitulada Bases e pontos de partida para a organização política da República Argentina.

      Ao ano seguinte publicaria um novo tratado como extensão do precedente, titulado “Elementos de direito público provincial argentino”. Uma das chaves que Juan Bautista Alberdi estabeleceu como base desses documentos foi o corte liberal que tem sido observado em questões econômicas e políticas.

      Outra obra que escreveu nesta linha foi a de Sistema Económico e rentístico da Confederación Argentina. Finalmente, em 1853, as autoridades competentes se reuniram em Santa Fé e sancionaram a nova constituição do nascente país, utilizando os documentos que Joan Baptista Alberdi havia preparado para esse fim, para que pudesse ser considerado o pai da constituição argentina.

      Carreira diplomática e últimos anos

      Após estes acontecimentos, Juan Bautista Alberdi foi eleito membro do corpo diplomático, para o qual se mudou para a Europa, com o objetivo de obter o reconhecimento internacional da Argentina como país soberano, perante os partidários da criação do Estado de Buenos Aires. , que pretendia obter a independência desta região.

      Juan Bautista Alberdi conseguiu isso objetivo e a República Argentina se tornou uma realidade. Em 1878 voltou ao seu país natal, Tucumán, onde foi eleito deputado. Durou a este cargo dois anos, retirando-se-lhe por um conflito entre dois setores que lutaram pela implantação da capital, que finalmente caiu ao lado de Buenos Aires. Os deputados que não apoiaram esta iniciativa foram despedidos.

      Em 1880, Juan Bautista Alberdi Foi nomeado o doutorado honorário da Universidade de Buenos Aires, especificamente da Faculdade de Direito. Naquela época, sua saúde já estava muito fragilizada, então ele não podia participar das falas. Um dos alunos leu seu texto para ele. O título era: A onipotência do Estado é a negação da liberdade individual.

      Um conflito final com o presidente Bartolomeu Mitre, que se opôs à publicação de suas obras completas, fez com que Joan Baptista Alberdi emigrasse para Paris, França, onde morreu em 1884.

      Referências bibliográficas:

      • Adelman, J. (2007). Entre a ordem e a liberdade: Juan Alberdi Batista e as origens intelectuais do constitucionalismo argentino. Revista Latino-americana de Pesquisa.
      • Gorgs, MA (2006). O liberalismo hispano-americano no século XIX. Realidade.
      • Sanguinetti, H. (2014). Alberdi: revisão crítica. Buenos Aires: Academia Nacional de Ciências Morais e Políticas.

      Deixe um comentário