Joseph Lister: biografia deste cirurgião e pesquisador britânico

Ao longo do século 19, as cirurgias eram uma aposta na vida ou na morte. A antissepsia era desconhecida e até desprezada, pois muitos médicos achavam que lavar as mãos ou limpar instrumentos cirúrgicos era desnecessário, até mesmo ofensivo, e pediam que o fizessem.

Felizmente, isso mudou, embora não tivesse sido possível sem a influência de grandes figuras como Joseph Lister. Este médico inglês percebeu a grande necessidade de esterilizar tanto a sala de cirurgia quanto os instrumentos a serem usados ​​para evitar o grande número de mortes associadas às operações do século XIX.


Nisso biografia de Joseph Lister vamos descobrir a vida deste cirurgião britânico, suas principais descobertas e a importância de seu trabalho.

    Breve biografia de Joseph Lister

    Joseph Lister, o primeiro Barão de Lister, foi um conhecido cirurgião britânico por suas descobertas em técnicas anti-sépticas e sua consciência da importância de manter uma boa higiene e esterilização em salas de operação. Este médico inglês ele notou que as feridas cirúrgicas acabariam apodrecendo se não fossem devidamente desinfetadas antes e depois da operação., garantindo a morte do paciente por sepse.

    Ciente disso, ele introduziu várias técnicas anti-sépticas nas salas de cirurgia, além de impor hoje o hábito tão padronizado de lavar as mãos, ideia original do médico húngaro Ignaz Semmelweiss. Enquanto Lister abusava de parte do ácido fenólico, hoje mais conhecido como fenol, uma substância altamente tóxica, é preciso dizer que em sua época era um bom esterilizante e que trabalhava para evitar a morte de milhares de pessoas, causando uma verdadeira revolução no campo da cirurgia.

    Os primeiros anos

    Joseph Lister nasceu em 5 de abril de 1827 em uma próspera família Quaker em Upton, Essex, Inglaterra.. Seus pais eram Joseph Jackson Lister e Isabella Harris. Seu pai era um comerciante de vinhos que possuía um profundo conhecimento de física e matemática e também tinha um hobby de microscopia e óptica, sendo um dos primeiros construtores de lentes acromáticas.

    Lister estudou na University College London, uma das poucas instituições a admitir quacres na época. Ele estudou botânica e se formou em 1847. Então matriculou-se no estudo da medicina, formou-se com louvor e, aos 26 anos, foi admitido no Royal College of Surgeons of England.. Em 1854, formou-se cirurgião oficial em Edimburgo, com Jarnes Syme, com quem se casou com sua filha. Na capital escocesa dedicou-se a diversos trabalhos anatômicos, fisiológicos e patológicos.

      Começo em cirurgia

      Em 1860 parte para Glasgow, onde substitui Syme e realiza as suas obras mais importantes. Ao assumir a clínica cirúrgica daquela cidade, Joseph Lister teve que lidar com um dos principais problemas cirúrgicos da época: entre 30 e 50% dos pacientes hospitalizados morreram de gangrena hospitalar, erisipela, piemia ou edema purulento.

      Entrar em uma sala de cirurgia no século 19 era uma aposta de vida ou morte. Enquanto com a invenção da anestesia as salas de cirurgia tornaram-se locais mais silenciosos, sem os gritos agonizantes dos pacientes, as doenças pós-operatórias acabaram matando quase metade dos operados.

      O procedimento usual para prevenir infecções era ventilar os quartos do hospital para expelir o miasma., o ar nocivo que supostamente exala as feridas e espalha a doença para outros pacientes. Era o único hábito higiênico praticado pelos cirurgiões da época, pois, por mais surpreendente que nos pareça agora, eles adoravam o fedor dos hospitais da época.

      Os médicos chegam à sala de cirurgia vestidos com roupas normais e, sem sequer lavar as mãos, vestem as batas cobertas com os restos de sangue seco e pus, consideradas medalhas que atestam as inúmeras operações que realizaram.

      O sucesso das operações era bastante raro, fato conhecido de todos os cirurgiões, pois era o seu pão de cada dia. É por esta razão que mesmo os próprios cirurgiões relutavam em operar até que fosse absolutamente essencial e, de fato, o problema de infecção era tão sério que se falava até em abolir a cirurgia nos hospitais. Era melhor para o paciente morrer sozinho do que causar-lhe uma morte dolorosa e indigna causada pelos sintomas da sepse.

      Mas para Joseph Lister a teoria do miasma não o convenceu, pois observou que, ao limpar as feridas, às vezes conseguia conter as infecções. O problema não era estar no ar, mas sim na própria ferida. Como outros cirurgiões do passado, Lister queria se rebelar contra a louvável doutrina do pus, de que o pus era um sinal positivo de cicatriz, longe de ser um indicador de infecção e risco à saúde. Lister abordou esta doutrina, mas de forma diferente. Ele acreditava que a infecção da ferida e a formação de pus eram comparáveis ​​à putrefação.

      Lister estava familiarizado com as idéias e o trabalho de Louis Pasteur. Por um lado, ele sabia que o bacteriologista francês havia demonstrado que a putrefação se devia à chegada de germes vivos à matéria putrescível e, por outro lado, que essa mesma matéria poderia manter-se inalterada se fosse mantida fora dela. contato de ar ou se o mesmo aconteceu filtrado. Lister vinculou essas noções à sua experiência na área de cirurgia, principalmente em casos de fraturas.

        Descubra o poder da antissepsia

        Joseph Lister observou que fraturas simples, aquelas em que ele não tinha ferimentos, cicatrizavam sem muita dificuldade., enquanto os abertos ou complexos geralmente terminam em supuração e infecção. Ele acreditava que o ar atmosférico era o responsável por isso, pois introduzia germes no corpo da pessoa ferida. A conclusão: tinha que ser filtrado de alguma forma.

        Lister experimentou várias alternativas: cloreto de zinco, sulfitos … até encontrar o ácido fenólico, hoje mais conhecido como fenol, substância que facilmente obtinha do alcatrão de carvão e que, desde 1859, é comercializada para combater a podridão. Joseph Lister sabia que o ácido fenólico era usado no Reino Unido para prevenir o mau cheiro dos esgotos e que nos campos onde as águas corriam com esta substância os entozous que parasitaram o gado desapareceram.

        Em 1867, ele publicou um trabalho intitulado “Sobre um novo método de tratamento de fraturas expostas, abscessos, etc.” com observações sobre as condições de supuração ”(“ Novo tratamento de fraturas expostas e abscessos; observações sobre as causas da supuração ”) que dificilmente encontraram eco na comunidade científica. Ele então apresentou os resultados de um novo estudo sobre o assunto à British Medical Association. Este material foi finalmente publicado em forma de livro em 1867 sob o título “Sobre o princípio anti-séptico na prática da cirurgia”.

        Entre a primeira publicação e a segunda, ele aprimorou a técnica. Primeiro aplicou compressas de água de fênix e depois borrifou essa substância tanto nos objetos quanto no ar da sala onde realizaria seus procedimentos, complementando a esterilização com o uso de pomadas de fênix. Cada medição parecia pequena para garantir que nenhum germe infectasse a ferida cirúrgica do paciente..

          Sucesso em sua carreira médica

          Aos poucos, vai acumulando uma série de histórias de sucesso, fruto de uma experiência contínua. Em 1867, ele decidiu operar um paciente com uma tíbia quebrada usando seu novo método anti-séptico. Normalmente, a maioria dos casos termina em tragédia. No entanto, Lister teve sucesso com seu método em curar o paciente sem nenhum problema, sendo o início do que alguns chamam de “listerismo”, tendência que vem ganhando adeptos rapidamente.

          Figuras importantes da cirurgia e da medicina da época estavam profundamente interessados ​​na antissepsia proposta por Joseph Lister: na Itália Antonio Bottini; na Alemanha, Richard von Volkmann e Karl Thiersch; na França, Lucas Championnière; e na Espanha Salvador Cardenal, Antonio Morales Pérez, Miguel Fargas, Nicolás Ferrer e Juan Aguilar i Lara.

          No entanto, também havia algumas grandes figuras de sua época que não o levavam a sério nem andavam com ele. convencer idéias. Entre eles estava R. Lawson Tait, de Birmingham, que chegou a dizer que a antissepsia era uma complicação desnecessária para as cirurgias, embora as evidências eventualmente mudassem sua opinião.

          Sabendo o valor das estatísticas para dar força aos seus argumentos, Lister acumulou dados e cifras. Para o ano de 1870, ele apresentou os resultados relativos às amputações. Antes do uso de suas técnicas anti-sépticas, a mortalidade era próxima a 50% dos pacientes operados, enquanto após o uso caía para 15%. Morte

          Joseph Lister faleceu em 10 de fevereiro de 1912 aos 84 anos, após receber todo tipo de homenagens, homenagens e reconhecimentos por seu trabalho. Embora tenha gerado todos os tipos de crítica e ceticismo no início, sua antissepsia acabará sendo uma das três grandes descobertas que trarão a revolução na cirurgia, junto com a anestesia e a hemostasia.. Seu funeral foi realizado na Abadia de Westminster, onde sua efígie foi gravada junto com as de John Hunter e Francis Willis.

            Honras e reconhecimentos

            Se do nosso ponto de vista moderno a higiene e a esterilização são aspectos essenciais antes da cirurgia, não era assim no século XIX. A partir daí, Joseph Lister teve a ideia de que, para garantir o sucesso das operações e um pós-operatório seguro, era necessária a higienização adequada das mãos e instrumental cirúrgico, além de garantir que a sala estivesse o mais limpa possível. Possível, uma ideia visionária .

            Apesar do ceticismo inicial sobre suas propostas, era apenas uma questão de tempo para que os resultados apoiassem o método., salvando milhares de vidas e tornando Lister digno de várias homenagens, que mencionamos a seguir:

            • 1883: nomeado Baronete de Park Crescent, em Marylebone (Middlesex)
            • 1897: recebe o título de Barão de Lyme Regis
            • 1902: recebe a Ordem de Mérito.
            • 1895-1900: Presidente da Royal Society
            • 1910: a Universidade Nacional Independente do México concede-lhe o Honoris Causa
            • O gênero Listeria é nomeado em sua homenagem.
            • O produto “Listerine” recebeu esse nome em sua homenagem.

            Seu sobrenome foi registrado batizando uma espécie de microorganismo da família Corynebacteriaceae., ordem Eubacterials: Listeria. Os microrganismos pertencentes a esse gênero são bactérias bacilares e cocóides gram-positivas, geralmente encontradas em animais e causadoras de sepse. Ele também pode infectar humanos, causando doenças respiratórias superiores com linfadenite e conjuntivite, bem como sepse, que pode causar encefalite.

            Como última curiosidade, o produto Listerine, um conhecido anti-séptico bucal, leva seu nome em sua homenagem. Joseph Lister não foi o inventor e não tirou proveito disso, mas deve-se mencionar que não poderia ter sido inventado se não tivesse sido descoberta a importância da esterilização de feridas e tecidos humanos para prevenir sua infecção.

            Referências bibliográficas

            • José L. Fresquet. Instituto de História da Ciência e Documentação (Universidade de Valencia – CSIC). Março de 1999. (Revisado em julho de 2007).
            • Dolman, CE (1970-1978). Joseph Lister, In: Gillispie, CC (Dir), Dicionário de Biografia Científica, Nova York, os filhos de Charles Scribner, vol. 8, 399-413.
            • Joseph Lister, 1º Barão Lister. R: Wikipedia (http://en.wikipedia.org/wiki/Joseph_Lister). Acessado em junho de 2007).
            • Laín Entralgo, P. (1963). Panorama histórico da medicina moderna e contemporânea. Barcelona, ​​ed. Científico e técnico.
            • Rains, AH (1977). Joseph Lister e antissepsia. Hove, imprensa do priorado
            • Sigerist, H. (1949). Os grandes médicos. Barcelona, ​​Edicions da avenida.
            • Simmons, John Galbraith (2002). “Joseph Lister Antissepsis and Modern Surgery.” Médicos e descobertas: as vidas que criaram a medicina moderna. Boston: Houghton Mifflin.
            • Timio, M. (1981). Lister: fundador da cirurgia moderna. Brescia, Editorial La Scuola.

            Deixe um comentário