Georg Wilhelm Friedrich Hegel: biografia deste filósofo

Georg Wilhelm Friedrich Hegel foi um filósofo alemão, considerado um dos grandes representantes do idealismo na Alemanha.

A sua obra, tal como a de outros filósofos alemães da época, como Emmanuel Kant, teve grande peso no pensamento, tanto no país germânico como no resto da Europa, nos séculos XVIII e XIX. Vejamos a história deles por meio deste biografia de Georg Hegel em formato resumido.


    Biografia de Georg Wilhelm Friedrich Hegel

    Georg Wilhelm Friedrich Hegel, mais conhecido simplesmente como Hegel, nascido em uma família pequeno-burguesa em 27 de agosto de 1770 em Stuttgart, Prússia, atual Alemanha.

    Hegel foi treinado em um seminário protestante na cidade de Tübingen, onde conheceu Friedrich Schelling e Friedrich Hölderlin como colegas de classe. Mais tarde, ele estudaria na universidade e, em 1793, faria o doutorado.

    A partir de então, ele trabalhou como professor particular em Berna e mais tarde em Frankfurt. Naquela época, ainda jovem e sem ainda ter marcado o caráter de seu pensamento filosófico, escreveu de forma fragmentada.

    Os textos desse período serão publicados muito mais tarde, em 1907, com o nome de “Escritos Teológicos Juvenis”. Os mais notáveis ​​desses textos são os Esboços sobre religião e amor, a vida de Jesus, a positividade da religião cristã, o espírito do cristianismo e seu destino e os fragmentos republicanos.

    Viagem pelo Reino da Prússia

    Em 1801 mudou-se para Jena a pedido e convite de seu colega Schelling, que naquela época havia se tornado o centro cultural mais importante de toda a cultura alemã. Em Jena, ele ensinou até 1807, mas, devido à ocupação de Napoleão, ele foi forçado a fugir e se encontrou, um ano depois, em Nuremberg, Onde trabalharia como reitor e professor de filosofia em seu Gymnasium (colégio alemão).

    Últimas décadas

    A atividade educativa que desenvolveu em Nuremberg é compilada sob o título “Propedêutica filosófica”. No entanto, e apesar de se interessar pela pedagogia, Hegel concentrou-se em sua obra principal, Ciência da lógica, publicada em três volumes entre 1812 e 1816.

    Ele foi então convidado a trabalhar na Universidade de Heidelberg, a fim de ocupar a cadeira de filosofia.. Lá ele publicará sua exposição completa de seu sistema filosófico na “Enciclopédia de Ciências Filosóficas” (1817).

    De 1818 até sua morte, Georg Wilhelm Friedrich Hegel lecionou na cidade de Berlim, onde o famoso Johann Gottlieb Fichte ocupou sua cadeira. Sua última grande obra, Philosophie du droit, foi publicada em 1821. Ele morreu em 14 de novembro. , 1831, de uma epidemia de cólera. Ele tinha 61 anos.

      Hegel e o fim do Antigo Regime

      Georg Hegel testemunhou uma mudança históricaDesde que viu como o Ancien Régime, um pequeno libertário e censor da crítica ao poder estabelecido, vacilou.

      No início da Revolução Francesa, Hegel, inspirado por um dos maiores ilustradores, Jean-Jacques Rousseau, considerava plausível a ideia da polis grega, ou seja, a crença de que as cidades poderiam se tornar estados. uma sociedade harmoniosa, com um espírito patriótico e uma religião popular não dogmática.

      Em seus primeiros dias, Hegel, como uma pessoa que viveu no meio do Iluminismo, ele defendeu a libertação da humanidade de um passado onde havia opressãoTanto político, como poderia ser o Império Romano ou os estados medievais, como religiosos, representados na ideia Cristianismo.

      Contudo, já passou a Revolução Francesa e com a chegada de Napoleão ao poder, Hegel mudou de ideia. Vendo que, talvez, esse ideal de criar pequenos estados não fosse plausível porque mais cedo ou mais tarde um tirano, de qualquer ideal, acabaria tentando estabelecer seu império, ele rejeitou essa crença no poder, chegar a uma corporação de estados independentes. ideais. Por isso, estando já em Jena e em Frankfurt, adoptou uma atitude mais realista na política e no cristianismo.

      Não que ele fosse um inimigo fervoroso de Napoleão, muito pelo contrário. Ele admirava muito seu trabalho, pois acabara de destruir os velhos e desnecessários vestígios do feudalismo, bem como o potencial do que, com o tempo, se tornaria a economia política moderna. Isso lhe deu uma ideia bastante otimista do desenvolvimento do sentido burguês da sociedade de sua época.Considerando que vivia o início de uma nova etapa histórica.

      Mas, apesar de criticar o feudalismo e até mesmo ter escrito sobre o republicanismo, em 1815 Hegel era um defensor da monarquia prussiana. Embora ainda seja um regime baseado na ideia medieval de que o poder deve ser herdado e não eleito, considera que os ideais da família Hohenzollern são os da razão e da verdadeira liberdade. É então que Hegel passa a uma concepção de que a filosofia, ao invés de ter como missão anunciar e preparar uma nova época, deve se tornar o reconhecimento da positividade do presente.

      Fenomenologia da mente

      É uma das obras mais conhecidas de Hegel, e esta é dividido em seis seções: consciência, autoconsciência, razão, mente, religião e conhecimento absoluto.

      Na seção sobre a consciência, Hegel critica várias formas de realismo, bem como a justificativa da função constitutiva do pensamento sobre a objetividade. Na autoconsciência, ele fala da identidade dos opostos, como o “eu-sujeito” e o “eu-objeto”. Eles são realmente os mesmos I’s, mas duplicados e aparentemente vistos como algo contrário um ao outro.

      Na seção sobre o espírito, ele evoca épocas decisivas para a história e o pensamento ocidentais, começando pelo mundo antigo, isto é, Grécia e Roma, até para ele a Revolução Francesa Moderna. Ao longo do caminho, ele abordou o feudalismo e o absolutismo monárquico que serviu de semente para a eclosão das revoluções burguesas de seu tempo.

      Quando fala de religião, indica que o cristianismo serviu como um credo que buscava expressar a exigência da reconciliação entre o divino e o humano, por meio do dogma do homem-Deus, isto é – dizer Jesus.

      Filosofia da natureza

      Na linguagem hegeliana, a palavra ideia se refere a todas as categorias racionais. No mundo real, a ideia se fragmenta em um acidente. No entanto, quando se fala de realidade, uma distinção deve ser feita entre natureza e espírito.

      O espírito é representado pelo ser humano e suas atividades, e é o ser que pode ser realizado como absoluto. A mente é superior à natureza, uma declaração que Hegel usa para argumentar contra o materialismo e também as descrições românticas da natureza, que são fortemente inspiradas por crenças panteístas.

      Hegel rejeita empirismo e mecanismo, E tem uma visão muito exagerada da mente, tanto que chega a atingir perspectivas animistas. Para ele, na natureza, os elementos eram arranjados em graus sucessivos, indo desde o mecânico, passando pelo físico e atingindo organismos, com mais ou menos complexidade.

      Filosofia da mente

      Com sua filosofia da mente, ele desenvolve ainda mais as idéias do absoluto e da idéia. Para Hegel, a mente se manifesta em três fases: mente subjetiva, mente objetiva e mente absoluta.

      1. Mente subjetiva

      A mente subjetiva corresponde à alma individual. Vindo da natureza, isso é o que entenderíamos como indivíduo, o próprio homem. O processo evolutivo da ideia de mente subjetiva ocorre em três fases: antropologia, fenomenologia e psicologia.

      Na antropologia, a mente subjetiva é observada em sua infância, se emerge do mundo natural, ligando-se a um corpo. Essa ideia foi compartilhada pelos antigos gregos, especialmente no que diz respeito à alma sensível. A fenomenologia corresponde ao estágio em que a mente subjetiva se torna consciente de si mesma. Ele tem uma identidade. Na fase de psicologia, a mente adquire razão, imaginação, intuição e outros processos internos. Isso leva a mente a um nível superior: é a mente livre.

      2. A mente meta

      Tendo alcançado o último grau de subjetividade, a mente se desdobra. Manifesta-se em obras que outras pessoas podem ver, capturar, sentir. Ela se manifesta por meio de conceitos como direito, moralidade e ética. São estabelecidas leis que permitem a existência livre e igualitária de mentes no mesmo mundo, constituindo os fundamentos jurídicos de uma sociedade.

      3. O espírito absoluto

      O espírito absoluto é a unidade das características do sujeito e da meta. Este espírito passa por três estágios superiores de subjetividade ou objetividade: arte, religião e filosofia.

      A arte, que seria uma manifestação objetiva, embora subjetiva, é a representação do ideal do belo. É assim que o espírito se manifesta aos outros, Dando origem a todos os tipos de arte que, embora objetivamente encontrados no mundo real, cada um dá uma interpretação livre.

      A religião é concebida, segundo Hegel, como algo racionalista, E explica que se manifestou, ao longo da história, em três etapas. Nas religiões orientais, eles se alimentavam de conceitos que se referiam ao infinito; na Grécia e em Roma clássicas, fazia-se referência ao finito. Finalmente, no cristianismo, faz-se uma síntese entre a visão oriental e a greco-romana.

      A filosofia é o estágio final da mente absoluta, alcançando sua plenitude. A intuição do espírito absoluto na arte e sua representação na religião é superada pela filosofia. A mente está ciente de si mesma por meio da filosofia.

      referências bibliográficas

      • Artola, J. (1972) Hegel. A filosofia como retorno, Madrid, Espanha.
      • Gadamer, HG: The dialectic of Hegel, Madrid, 1981.
      • Cambrer-Gil, C. (sf) Hegel, Georg Wilhelm Friedrich (1770-1831). Biografias MCN. Obtido em http://www.mcnbiografias.com/app-bio/do/show?key=hegel-georg-wilhelm-friedrich

      Deixe um comentário