Friedrich Ratzel: biografia deste geógrafo e etnógrafo alemão

Friedrich Ratzel foi um geógrafo e etnógrafo alemão o conhecimento da biologia e da zoologia deu origem a uma concepção verdadeiramente particular de estados e sociedades.

Para ele, um país, mais do que um sistema administrativo e burocrático sem alma, era um organismo, um ser vivo à sua maneira. E como todo ser vivo nasce, vive, cresce e morre. Se crescer, precisará de um espaço para comer, um lugar para viver plenamente, ideia que deu origem ao famoso “lebensraum”, tão popularizado pelos nazistas durante o Terceiro Reich.


A seguir veremos a vida e o pensamento deste pesquisador por meio uma biografia de Friedrich Ratzel, Um geógrafo alemão muito patriótico que involuntariamente desenvolveu textos se tornará a inspiração do partido que mais prejudicou na Europa do século XX.

    Breve biografia de Friedrich Ratzel

    Friedrich Ratzel nasceu em 30 de agosto de 1844 em Karlsruhe, Alemanha. Seu pai tinha contato direto com a nobreza, embora ele não fizesse parte dela porque era o chefe do gabinete doméstico do grão-duque de Baden.

    Primeiros anos e treinamento

    Young Friedrich frequentou a escola em Karlsruhe por seis anos antes de se tornar um aprendiz de farmacêutico aos 15 anos. Mais tarde, em 1863, ele viajou para Rapperswil, Suíça, para começar a estudar línguas clássicas e literatura.

    Ao regressar da Suíça, trabalhou como farmacêutico em Moers, perto de Krefeld, na Vestefália, durante os anos de 1865 e 1866. Após esta experiência aproveite para passar um tempo estudando no instituto em sua terra natal, Karlsruhe, onde começou a estudar biologia, em particular zoologia. Ele completaria esses estudos nas universidades de Heidelberg, Jena e Berlin, terminando definitivamente em 1868. No ano seguinte publicou

    Depois de um ano como farmacêutico em Moers, perto de Krefeld, na Westfália (1865-1866), ele passou algum tempo no Instituto Karlsruhe, tornando-se um estudante de zoologia, depois estudante na Universidade de Karlsruhe. Heidelberg, Jena e Berlin, terminando seus estudos em 1868. Em 1869, publicou “Sein und Werden der organischen Welt” (Ser e devir do mundo orgânico)

    Durante sua juventude experimentou a unificação alemã, um evento que se desenvolveu durante as décadas de 1860 e 1870, culminando com a criação do Império Alemão em 1871. Ele não foi uma testemunha passiva desses eventos porque, motivado por um espírito patriótico, ele decidiu se alistar no exército prussiano em 1870, logo que estourou a guerra franco-prussiana. Ele foi ferido duas vezes na guerra, um conflito em que o lado alemão seria vitorioso. Esse fato marcou o pensamento e a obra de Ratzel.

      Viajar o mundo

      Após a guerra e o fim dos estudos Ratzel iniciou um período de viagem que o levaria do status de biólogo e zoólogo ao de geógrafo. Ele começou conduzindo estudos de campo no Mediterrâneo e escreveu várias cartas descrevendo o que observou. Essas cartas se tornaram a porta de entrada para uma ocupação mais do que bem-sucedida como correspondente do Kölnische Zeitung em 1871.

      Friedrich Ratzel empreendeu várias expedições entre 1874 e 1875, viajando pela América do Norte, Cuba e México, viagens que marcaram uma importante virada em sua carreira e lhe renderam considerável influência. Durante essas viagens, ele se concentrou em como os alemães que chegaram à América influenciaram a cultura e o modo de vida nos Estados Unidos, especialmente no meio-oeste.

      Ele deixou um registro escrito de suas viagens em 1876 com seu “Städte-und Kulturbilder aus Nordamerika” (“Perfil das cidades e culturas da América do Norte”), registro do que observou nas mais importantes cidades americanas: Nova York, Washington, Filadélfia, São Francisco, Nova Orleans, Richmond e Charleston. Segundo Ratzel, as cidades são o melhor lugar para estudar as pessoas porque aqui a vida se acelera e destaca as características mais típicas e melhores de seus habitantes.

      Carreira docente e anos anteriores

      De volta ao solo alemão em 1875, Ratzel tornou-se professor de geografia no Instituto Técnico de Munique. Em 1876 passou a ser catedrático e posteriormente em 1880 passou a ser catedrático permanente na instituição.

      Durante sua estada em Munique, Ratzel escreveu vários livros e se estabeleceu definitivamente como um escritor acadêmico e prolífico. Seis anos depois, ele concordou em trabalhar na Universidade de Leipzig, dando palestras com a presença de grandes mentes da geografia, incluindo a americana Ellen Churchill Semple.

      Os anos em que trabalhou como professor servirão a Ratzel para lançar as bases da geografia humana, em particular com a publicação de seus dois volumes de “Antropogeografia” em 1882 e 1891, uma obra que foi mal interpretada por seus próprios seguidores como pró-determinista ambiental. Pouco depois publicou “Politische Geographie” (1897), texto em que falava do famoso “Lebensraum” ou “espaço vital”, ideia que seria reinterpretada de forma bastante distorcida décadas mais tarde pelos nazis.

      Ele passou seus últimos anos ensinando e publicando novos textos. Friedrich Ratzel ele continuou a trabalhar em Leipzig até sua morte repentina em 9 de agosto de 1904, enquanto estava de férias em Ammerland., Alemanha, apenas duas semanas antes de seu 60º aniversário.

      Pensamento dela

      Entre os influenciadores no pensamento de Friedrich Ratzel estão Charles Darwin e Ernst Heinrich Haeckel. Deve-se notar que Darwin alcançou a fama quando Ratzel era apenas um adolescente em 1859, quando o naturalista inglês publicou seu mais do que famoso “A Origem das Espécies”, ideias evolucionárias foram mal interpretadas e aplicadas à sociedade, servindo como a semente de Darwinismo social e visões eugênicas.

      A vida de Ratzel coincidiu com um período em que a Alemanha estava se desenvolvendo industrialmenteAlgo que teve um impacto significativo na forma de pensar do autor e também em seus textos. Após a vitória alemã na Guerra Franco-Prussiana, o Império Alemão se tornou uma superpotência em competição com a Grã-Bretanha e precisava se expandir para novos mercados. É a partir desse fato histórico que Ratzel começa a nos falar sobre o “lebensraum” ou “espaço vital”.

      A ideia principal de seu pensamento era que a vida de um estado era mais parecida com a vida de um organismo do que uma simples estrutura burocrática e administrativa. E como todas as coisas vivas, o estado / país nasce, vive, cresce e morre. Tomando a ideia original de Ratzel de “lebensraum”, as sociedades humanas moldam culturas e estados abordando os seguintes três aspectos: o “Rahmen”, que é o ambiente natural ou físico em que a sociedade vive, o “Stella”, que é a posição ocupada por esta sociedade e o “Raum” que é o espaço de que a sociedade necessita para se alimentar.

      Seu primeiro conceito de “lebensraum” não tinha significado político ou econômico, mas sim espiritual e racial, nacionalismo expansionista, mas não necessariamente militar. À medida que as sociedades crescem, precisam de mais “Raum” e, como era o caso na sociedade alemã, era necessário que essas pessoas se desenvolvessem geograficamente, mas não de forma agressiva.

      Ele defendeu uma expansão “natural”, no sentido de que, além disso, mais alemães tiveram que deixar os países alemães e povoar outros estados mais fracos. Ele acreditava que os alemães ajudariam a enriquecer cultural e economicamente os novos países aos quais foram destinados, expandindo geograficamente a nação alemã sem a necessidade de guerras ou invasões, apenas por influência.

      A sua vez considerou que para que a Alemanha tivesse um crescimento económico amoroso era necessário que se alargasse terrotorialmente e conseguisse algum tipo de controle entre os mares do Norte, o Báltico, o Negro e o Adriático. Essa ideia foi mais tarde usada pelos nazistas quando eles reinterpretaram o conceito de “lebensraum” de Ratzel. Embora o Partido Nazista tenha sido fundado em 1920, 16 anos após a morte de Friedrich Ratzel, a ideia de um espaço de vida alemão levou a pensar que Ratzel era um nazista, embora hoje “perceba que não era esse o caso.

      os trabalhos dela

      Friedrich Ratzel foi um escritor prolífico de textos acadêmicos cujo eles lançaram as bases para o determinismo geográfico. A ideia central de seu trabalho é que a atividade humana de um determinado grupo depende diretamente do espaço físico que ocupa.

      Ele também expressa nessas obras seu interesse em saber e interpretar em que medida o território representa o poder político. Alguns de seus textos mais importantes são:

      • Pré-história do homem europeu (Pré-história dos europeus, 1875)
      • Os Estados Unidos da América do Norte (Estados Unidos da América, 1878-1880)
      • A Terra, em 24 conferências (A Terra em 24 conferências, 1881)
      • Etnologia (Etnologia, 1885,1886,1888)
      • Terra e Vida (Terra e Vida, 1902)
      • Antropogeografia (antropogeografia, 1891)
      • Geografia política (geografia política, 1897)

      Referências bibliográficas:

      • Gilman, DC; Peck, HT; Colby, FM, ed. (1905). “Ratzel, Friedrich.” New International Encyclopedia (1ª ed.). Nova York: Dodd, Mead.
      • Dorpalen, Andreas. O mundo do General Haushofer. Farrar & Rinehart, Inc., New York: 1984.
      • Martin, Geoffrey J. e Preston E. James. Todos os mundos possíveis. Nova York, John Wiley and Sons, Inc.: 1993.
      • Mattern, Johannes. Geopolitik: Doutrina de autossuficiência nacional e império. The Johns Hopkins Press, Baltimore: 1942.
      • Wanklyn, Harriet. Friedrich Ratzel, biografia e bibliografia. Cambridge, Cambridge University Press: 1961.

      Deixe um comentário